Dicas para a criação de cursos online II

Vamos falar um pouco sobre o Roteiro do seu curso e sobre a gravação dos vídeos, especificamente de vídeos para cursos… as videoaulas.

Dicas para criação de cursos online

É uma parte da criação de cursos que pode ser bastante divertida… ou pode se tornar terrível.

Existem algumas formas diferentes de gravar videoaulas, e essas diferentes formas podem ser utilizadas individualmente ou em conjunto… explicando melhor… você pode gravar todas as aulas apenas em um formato (gravação de tela e narração, por exemplo), ou você pode combinar os formatos, deixando as videoaulas mais dinâmicas… o que pode ser mais interessante prá quem está assistindo.

Não sei se você já teve oportunidade de fazer algum curso online… mas mesmo que não tenha feito… pense assim: você vai estar na frente do computador assistindo as aulas, e elas são sempre do mesmo jeitão.

Ou a tela de outro computador sendo exibida, e alguém, lá do outro lado, explicando como é que faz isto ou aquilo… ou a tela sendo mostrada e ninguém falando nada, só mostrando como é que faz, através de setas e rabiscos na tela… ou alguém mostrando slides e lendo o que está escrito neles…

Enfim, quanto menos cansativo e mais atrativo for o vídeo, mais tempo seu aluno vai ficar na frente da tela.

Estudar online requer muita autodisciplina e vontade… estudar sozinho não é fácil.

Então temos que tentar deixar nossos vídeos o menos monótono possível.

Vou aproveitar este artigo e juntar 2 conteúdos que acabam se misturando, e tendo muitos pontos em comum: o roteiro e a gravação das aulas.

Um bom roteiro conecta o aluno e dá vida às aulas.

O roteiro é composto de 3 etapas:

O início, o meio e o fim… interessante né? E é bem assim mesmo.

O INÍCIO

  • Abertura: a abertura do vídeo… no máximo de 10 segundos… é na abertura que você captura a atenção do espectador… é aqui que ele vai decidir se assiste seu vídeo, ou passa prá outro (a abertura pode ser uma pergunta instigante, uma cena impactante do próprio vídeo, uma provocação… e por aí vai)… chame a atenção de quem está assistindo, prá que ele não vá embora.

Esta abertura, no início do vídeo, é para fazer com que as pessoas se sintam motivadas a assistir a sua videoaula.

  • Vinheta: vinheta é aquela animação gráfica que aparece no início de vários vídeos que você vê por aí.

A vinheta serve para mostrar a identidade da sua marca… e, normalmente, vem com uma trilha sonora, para reforçar a sua marca.

Aqui duas observações: primeira… a musiquinha que vai tocar durante a vinheta tem que ter sintonia com o que vai ser estudado no curso… guarde relação com a identidade do curso.

Segunda… é muito comum vermos a vinheta no início do vídeo… evite!

E também não faça uma vinheta maior que uns 10 segundos, de preferencia menor que isto. Prá que o cara não vá embora depois de 30 segundos assistindo vinheta…

A vinheta é legal em vídeos avulsos ou em vídeos de seu canal no Youtube… em videoaulas é meio complicado… na hora de editar parece que fica legal, mas coloque-se no lugar do aluno…

É normal assistir mais de uma videoaula na sequência… pense no saco que é você assistir uma aula de 3 minutos, passar para a próxima aula (também curtinha), mais uma… e toda vez que começa o vídeo, a mesma vinheta…. depois de umas 30 aulas, você já decorou a musiquinha e não suporta mais nem olhar prá vinheta… então cuidado.

Continuando…

  • Apresentação: A regra da vinheta serve aqui também… para vídeos avulsos ou do canal é interessante você sempre se apresentar… isto reforça a identidade do canal e a sua autoridade, já para videoaulas eu não recomendo… só uma apresentação rápida na primeira aula do curso… ou o seu aluno vai se cansar de saber quem é você.

Próxima etapa… O MEIO

  • Conteúdo – é o recheio do vídeo, o motivo de você estar fazendo o vídeo… a solução do problema, que você prometeu no título e na apresentação… muito capricho nesta parte, que é o que vai fazer você ter autoridade, seguidores e gente comprando seu curso.

E a última etapa… O FIM

  • Conclusão – em poucas palavras, resuma o que foi dito no vídeo… justifique o porquê de você fazer o vídeo, justifique o motivo, a dor e a solução proposta pelo vídeo.
  • CTA (call to action), traduzindo… chamada para a ação: as pessoas não sabem direito o que você quer que elas façam. Você tem que dizer o que ela tem que fazer (qual ação você deseja).
  • Mais conteúdo: a última etapa do roteiro do vídeo… aproveite o final do vídeo para divulgar e direcionar o espectador para outros vídeos com mais conteúdo seu.

É nesta etapa que você pode pedir prá se inscreverem no seu canal, dar um like e tal…

Isto só depois que a pessoa já assistiu tudo que você tinha a dizer e, se gostou, vai te ajudar.

Nas videoaulas, você pode agradecer a audiência e convidar para a próxima aula.

Além dessas etapas, o roteiro inclui outras coisas…

Em qual local será gravado o vídeo, qual o cenário, o figurino?

Vai ter música de fundo, vinheta, faixas com o nome do instrutor?

Serão utilizadas imagens ou outros vídeos… e, claro, o que você vai falar?

O roteiro tem vários itens, que não interferem diretamente no texto que será lido ou falado na gravação (o script), mas que interferem no resultado final do vídeo.

Estes itens podem ser documentados em separado… você decide onde vai gravar, o cenário, o que vai estar vestindo… se vai ter vinheta ou introdução… se vai ter música ou não… enfim, todos os periféricos que vão compor o produto final, e registra em outro lugar.

Ou registra no script mesmo… se optar por colocar no próprio script, intercalado no texto, dê destaque a esses periféricos… (coloque entre parentes), ou outra cor de texto, ou em MAIÚSCULO… enfim, prá destacar o que NÃO vai ser falado no vídeo, e que serve para indicar outras coisas que você terá que fazer naquele ponto do filme…

É no script que você vai colocar o conteúdo que vai ser dito, o conhecimento a ser compartilhado.

Esta é uma parte muito legal prá quem gosta de escrever… e terrível prá quem não gosta.

Vamos ver mais de perto esses formatos de roteiro e de videoaula:

Vamos lá…

  • Um formato muito utilizados em tutorias e também em muitos cursos é o screencast… você grava a tela do seu computador, e vai narrando e mostrando o que você esta fazendo… pode ser uma explicação passo a passo de como fazer determinada coisa, ou ensinando como passar de fase em um jogo, mostrando o jogo na tela que está sendo gravada, enfim… ensinando como fazer determinada coisa, mostrando na tela a sequência que precisa ser realizada para se chegar ao resultado proposto… tutoriais, quase sempre.

A vantagem deste tipo de aula é que o script é bem simples e o instrutor não precisa aparecer no vídeo, se não quiser… é a chamada gravação de tela.

  • Outro formato comum em cursos, é montar slides e ler o texto que está escrito nos slides, gravando a tela que mostra os slides (um modelo muito utilizado… que eu, particularmente, não gosto muito… fica parecendo que o professor é desnecessário, já que o aluno sabe ler).

Neste caso o script é o próprio slide… montou a apresentação, escreveu o conteúdo dos slides… pronto, é só por prá gravar a tela com os slides, e fazer a narração enquanto os slides são exibidos.

Nesses dois formatos você não vai precisar de câmera, nem vai aparecer no vídeo… você vai fazer o vídeo gravando a tela do seu computador num software específico, e gravar o áudio com microfone no mesmo soft, ou em outro programa de gravação de áudio.

Existem vários programas que fazem screencast (a gravação da tela do computador), um dos mais utilizados é o Camtasia… ele faz tanto a gravação da tela, quanto a edição do vídeo, o que facilita a produção.

Além dele e de outros programas que fazem screencast, ainda tem os programas nativos, que já vem com o seu computador, é só dar uma pesquisada na internet que vai achar, inclusive programas gratuitos.

  • Uma outra forma de script é fazer tipo uma apresentação, como se fosse uma palestra.

Montar os slides, com texto, imagens vídeos… e usar esta apresentação como um lembrete geral do que vai ser dito durante a gravação… meio que uma palestra narrada.

  • Outra maneira é fazer um script apenas com os tópicos principais do que você tem que falar, e falar de improviso sobre cada um dos tópicos… também é bastante utilizado.

Você utiliza o roteiro aberto na tela do computador, num tablet, celular, ou em uma folha de papel, e vai falando de improviso sobre cada um dos tópicos que você anotou.

Se você já sabe o que vai falar, o script te ajuda a não esquecer de nenhum tópico importante… o maior risco de falar de improviso são os vícios de linguagem que a gente nem sabe que tem, mas que parece que salta do vídeo quando escutamos e que foi gravado… os hããã, os ééééé, os nés,…

Mas é um bom recurso… um bom tipo de roteiro.

  • Também pode ser um roteiro que tem slides com os tópicos principais (prá reforçar o que está sendo dito) e intercalando a sua imagem gravada, explicando os slides.

Também é necessário que você conheça o assunto sobre o qual vai falar, utilizando os slides como um guia, prá poder falar de improviso.

Neste formato você pode intercalar entre os slides o vídeo com sua imagem gravada, ou colocar numa janelinha (PIP, Picture in Picture) a sua imagem sobre os slides… ou vice versa.

Mais um lembrete… se você for utilizar slides, cuidado prá não colocar muito texto neles.

Não dá prá colocar todo o texto no slide e você ficar lendo o que está escrito neles… o seu aluno sabe ler… e ele vai ficar tentando ler e ao mesmo tempo prestar atenção no que você está falando… e vai ficar incomodado, se cansar, e vai acabar não voltando mais para o curso.

Lembre que o slide é um acessório e não o astro principal do seu curso… ele serve como apoio e deve ser utilizado para reforçar e fixar o conteúdo.

  • Outras forma de gravar as aulas, é com você aparecendo na tela o tempo todo (chamado de talking head), ou mesclando com imagens, outros vídeos, slides, gravação de tela, etc… parecido com o que estou fazendo aqui…

Aí você vai precisar de luz, câmera e ação…

Eu prefiro este modelo, que mescla a imagem do professor, slides, imagens, gravação da tela… tudo junto e misturado… acho que fica mais dinâmico e mais atraente para assistir.

Este formato prá muitos é o mais difícil, principalmente pra quem não gosta de escrever… e também para quem não gosta de aparecer no vídeo:

Um script completo, prá ser lido durante a gravação.

É mais complicado porque dá bastante trabalho escrever todas as falas…

Dá mais vergonha e nervosismo na hora de gravar, e o resultado nem sempre fica bom.

Se você tem facilidade em decorar as falas, já fica um pouco mais fácil.

Você decora um trecho pequeno e grava, depois mais um trecho e grava… depois junta tudo num filme único. É mais ou menos como são gravados os filmes e as novelas.

Ou você pode usar um teleprompter (o TP), que é mesmo recurso utilizado nos telejornais, em discursos políticos, em programas de auditório na TV, etc…

Vamos ver agora alguns cuidados que devemos ter antes e durante a gravação:

Antes da gravação

Veja no roteiro o que você anotou para as aulas… local, cenário, figurino… prepare tudo…

Onde você vai gravar? O que vai aparecer no fundo do vídeo, atrás de você? (organize e deixe tudo limpo).

Como você vai aparecer, qual seu figurino? Vai ter uma roupa específica, sempre com a mesma roupa, ou vai trocar o figurino/cenário em cada aula?

Confira os outros itens que você anotou no roteiro, e que vai ter que providenciar antes de começar a gravar, para não esquecer de nada.

Ainda antes de começar a gravar, cheque as baterias e os cartões de memória… se você usa equipamentos com bateria, pilha ou cartão de memória, cheque se está tudo ok.

Importante… limpe as lentes das câmeras… é comum esquecer esses pequenos detalhes.

Ajuste a câmera para gravar em 30 quadros por segundo (30 fps – frames por segundo), que é meio que padrão nas plataformas

Cheque a iluminação… luz principal (quase de frente para o apresentador, pouco acima do rosto… procure posicionar a luz de forma a criar um pequeno brilho nos olhos), luz de preenchimento (a que vai ficar do outro lado da principal, em relação à pessoa), e a contraluz (que fica atrás da pessoa, ou iluminando o fundo do cenário)… esta contraluz pode ser normal ou de cor azulada ou alaranjada.

Confira a posição das câmeras… grave um trecho e cheque se está tudo ok… (enquadramento, iluminação, foco, cenário, som), se não gostar, ajuste e teste de novo.

Quando estiver tudo ok com as luzes, a câmera… é hora da ação!

Grave o conteúdo da sua aula… seja o mais natural e autêntico possível… não é legal ficar assistindo uma coisa que se percebe que é forçada.

Durante a gravação

Se for possível, aproveite para gravar várias aulas em cada seção de gravação… prá aproveitar toda a estrutura que você montou.

É neste ponto que o estúdio facilita a gravação, porque tudo já está no lugar e não precisa arrumar tudo cada vez que for gravar, e depois desarrumar tudo.

Evite interromper a gravação no meio de uma aula… se precisar parar de gravar, pare depois de terminar a aula, ou regrave toda a aula num outro momento.

Normalmente não é possível gravar um curso inteiro em apenas uma seção de gravação, a não ser que seja um curso curto, como este aqui. Neste caso, procure gravar com a mesma estrutura que você utilizou nas aulas já gravadas, prá dar uma certa harmonia visual ao curso.

Grave com a câmera na altura dos olhos, e deixe um espaço de 4 dedos (no vídeo) entre a cabeça do instrutor e o final do cenário (é o que é chamado de teto).

Sempre grave na melhor qualidade possível, se precisar, ajuste depois… na edição. Você consegue reduzir a qualidade de um filme na edição, mas não consegue melhorar a qualidade do que foi gravado no original.

Se for gravar com celular

Coloque o celular em modo avião, para evitar interrupção

Coloque ele em full screen (toque na tela), para que você possa ver toda a área que será gravada.

Trave exposição e o foco (toque na tela por alguns segundos, até aparecer um quadrado azul).

E comece a gravar… teste, teste… teste.

Beleza?

Acho que já dá prá começar a gravar suas aulas…

Você vai aprender muito mais fazendo…. teste, treine… assista alguns canais de produtores de vídeos no Youtube… quanto mais você estudar e fizer, mais vai aprender e melhorar.

Se você quiser dar uma olhada nos exemplos de formatos das videoaulas que falei aqui, ou quiser aprofundar, você pode assistir a aula completa neste link e, se gostar, pode assistir o curso “Dicas para a criação de cursos online” completo na página da Udemy.

Quer ver o que tem no Criar Curso?Pegue o e-book com o resumo do curso...                 É de graça!